NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

Reporting the underreported about the plan of action for People, Planet and Prosperity, and efforts to make the promise of the SDGs a reality.
A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC.


SGI Soka Gakkai International

 

Guerras sem fim

Ponto de vista de Sergio Duarte

O escritor é Embaixador, antigo Alto Representante das Nações Unidas para o Desarmamento, e Presidente das Conferências Pugwash sobre Ciência e Assuntos Mundiais.

NOVA YORK (IDN) - A Carta das Nações Unidas consolidou importantes normas de direito internacional. O seu Preâmbulo afirma a decisão de "salvar as gerações seguintes do flagelo da guerra, que por duas vezes na nossa vida trouxe uma tristeza indescritível à humanidade". Na altura da sua adopção, o mundo ficou profundamente chocado com duas guerras sucessivas que envolveram directamente a Europa e outras regiões. Apesar dos elevados propósitos expressos na Carta, vários conflitos armados em muitas partes do globo marcaram os setenta e sete anos de existência das Nações Unidas. 

Desde 1945 e até Fevereiro último não houve guerras em território europeu, excepto no que diz respeito aos conflitos entre as antigas repúblicas jugoslavas nos Balcãs e às operações militares conduzidas pela OTAN naquela região nos anos 90. A Coreia, o Vietname, o Médio Oriente, vários países e regiões de África e mesmo da América Latina, para mencionar apenas alguns casos, não estavam imunes ao sofrimento trazido pelas guerras, muitas vezes causadas por interesses políticos ou económicos das potências centrais.

A lista de conflitos armados a nível mundial nestes últimos setenta e sete anos, alguns dos quais ainda estão em curso, é extensa e trágica. Uma indústria de armamento lucrativa alimenta as dissensões e fomenta os combates.  

Mesmo sem conflitos mais amplos, a Europa viveu uma era de apreensão tensa durante as décadas que se seguiram à Segunda Guerra Mundial. Dois campos fortemente armados, política e ideologicamente opostos, ocuparam espaços geográficos divididos por uma linha que se estendia de norte a sul da Escandinávia oriental até aos Balcãs e que abrangia também a Turquia e partes do Mediterrâneo: a oeste a NATO, criada em 1949 sob a liderança dos Estados Unidos e do outro lado o Pacto de Varsóvia, liderado pela União Soviética.

Apesar de algumas crises, as duas alianças militares nunca se enfrentaram em guerra aberta e mantiveram um delicado equilíbrio de forças. Este período ficou conhecido como "Guerra Fria" e durou até ao desmembramento da União Soviética. As suas componentes ideológicas foram gradualmente substituídas por uma procura de poder e influência na ordem internacional. A Guerra Fria não desapareceu - apenas mudou.

Após o colapso da URSS, o Pacto de Varsóvia foi extinto em 1991. No decurso de três décadas, a maioria dos seus antigos partidos gravitou em direcção à OTAN, adoptou formas de organização política e económica baseadas nos princípios caros aos seus vizinhos ocidentais e aderiu à União Europeia, que agora compreende 27 membros.

Leste e Oeste são conceitos relativos: dependem da localização do observador. Politicamente, económica e militarmente o oeste europeu - cuja fronteira simbólica no pós-guerra foi o muro de Berlim - deslocado para quase atingir a fronteira com a Federação Russa, o sucessor da União Soviética.

Em tempos mais recentes, cada um dos dois lados - OTAN e Rússia - veio identificar o outro como o seu principal adversário. Ambos estão envolvidos numa nova corrida armamentista em busca de uma supremacia ilusória. A desconfiança mútua aumentou, mesmo depois de ambos os presidentes terem emitido em 2021 uma declaração conjunta encorajadora de que "uma guerra nuclear não pode ser ganha e nunca deve ser combatida".

A Rússia acredita que o progresso da OTAN para leste constitui uma séria ameaça à sua segurança e está alarmada com a possibilidade de a Ucrânia, um vizinho imediato, poder procurar a adesão à aliança atlântica. Embora possa haver motivos para as suas preocupações, a Rússia escolheu o caminho da agressão armada para se defender dessa eventualidade.

Quaisquer que sejam as suas razões, esta atitude contradiz completamente a Carta das Nações Unidas. Ao assinar a Carta, todos os membros da organização internacional comprometeram-se a resolver as suas disputas internacionais por meios pacíficos e a abster-se do uso ou ameaça de uso ou uso da força contra a integridade territorial de outros Estados.

O tratado fundador da OTAN estabelece que um ataque armado contra um ou mais dos seus membros deve ser considerado um ataque contra todos eles e justificaria uma resposta militar. Uma vez que a Ucrânia não é membro da NATO, a aliança não é obrigada a intervir directamente nas hostilidades, embora vários membros estejam a fornecer quantidades crescentes de armas ao governo de Kiev. Ao mesmo tempo, adoptaram sanções individuais e colectivas severas contra a Rússia, prometendo enfraquecê-la económica e militarmente e esperando provocar insurreições internas contra as autoridades de Moscovo.  

Uma solução negociada para o conflito parece distante. O custo humanitário da guerra é muito elevado e a situação no campo de batalha permanece incerta. Mais de 5,5 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia e vários milhares em ambos os lados já pereceram.

O aparente objectivo imediato da Rússia é assegurar uma ligação terrestre à Península da Crimeia, que anexou em 2014, e estabelecer o controlo sobre as costas ucranianas do Mar Negro. As forças ucranianas expulsaram com sucesso os invasores no norte ao longo da fronteira com a Bielorrússia e mantêm o controlo das partes central e ocidental do país, incluindo a capital Kiev.

O presidente da Ucrânia conta com o apoio da OTAN, mas já deixou claro que não procurará a adesão à aliança ocidental e não parece inclinado a renunciar à soberania sobre partes do território do país.  Até agora, os contactos diplomáticos entre os dois concorrentes têm-se limitado a acordos humanitários, claramente aquém do que seria necessário para prevenir ou aliviar a situação das populações civis.

A ansiedade e a tensão voltam a agarrar a Europa enquanto a preocupação mundial com o curso do conflito e as suas consequências económicas e humanas aumenta. O principal receio é o risco de uma escalada militar que conduza à utilização de armas nucleares. A Rússia e os arsenais da OTAN ostentam as chamadas armas atómicas "tácticas", ou seja, armas com um poder explosivo nuclear relativamente baixo que foram desenvolvidas para utilização em operações de campo de batalha.

Mesmo assim, tais armas são muitas vezes mais poderosas do que as que foram usadas para arrasar Hiroshima e Nagasaki. A sua utilização pode provocar uma resposta em espécie do inimigo e desencadear uma escalada de resultados imprevisíveis.

Um tratado concluído em 1987 eliminou mísseis de alcance intermédio nucleares baseados na Europa. Esta decisão causou alívio entre a população e trouxe desanuviamento às relações entre as duas grandes potências.  No entanto, as forças actualmente estacionadas em território russo, bem como o poder de guerra atómica que pode ser utilizado pela OTAN a partir de aviões ou submarinos, são mais do que suficientes para assegurar danos catastróficos em caso de confronto directo.

Além disso, Washington e Moscovo possuem mísseis intercontinentais nucleares supersónicos que podem iludir os sistemas de defesa existentes e cuja utilização pode resultar em completa destruição mútua com consequências irreversíveis para o resto do planeta. Um acidente ou descuido puro e simples pode causar a extinção da raça humana. O actual capítulo russo-ucraniano do confronto em curso entre a Rússia e o Ocidente tem dependido exclusivamente das armas convencionais, embora persistam ainda ameaças veladas de retaliação nuclear no caso de um envolvimento mais directo da OTAN.

A paz duradoura no mundo só pode ser alcançada através de entendimentos de boa fé que tenham em consideração as legítimas preocupações de segurança de todas as partes. Os instrumentos de negociação que permanecem à disposição da comunidade internacional foram criados precisamente para evitar o flagelo da guerra.

O risco de recorrência das incalculáveis perdas humanas e materiais causadas por conflitos sangrentos passados e presentes é um sinal de aviso de que a humanidade pode ainda não ter aprendido plenamente as lições da sua história. A competição por armas cada vez mais destrutivas não conduz a uma supremacia indiscutível; pelo contrário, como é evidente, é o caminho mais directo para a perpetuação das rivalidades e desconfianças que contribuem para criar e alimentar guerras sem fim.

Não há justificação lógica ou moral para que a História continue como uma série constante de conflitos com armas cada vez mais letais e indiscriminadas.  A humanidade deve compreender de uma vez por todas que a segurança para uns não pode ser alcançada à custa da insegurança de outros. A sabedoria e a contenção, tendo em conta as lições do passado, oferecem a melhor hipótese de construir um futuro de paz e de evitar a ameaça de devastação sem precedentes. [IDN-InDepthNews - 10 de Maio de 2022]

Foto: Protestantes num comício de Fevereiro de 2022 contra a invasão russa da Ucrânia marcham para além da estátua do Czar Alexandre II na Praça do Senado em Helsínquia. CC BY 2.0

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2021

Mapting

MAPTING

Partners

SDG Media Compact


Please publish modules in offcanvas position.