NOTE! This site uses cookies and similar technologies.

If you not change browser settings, you agree to it.

I understand

Reporting the underreported about the plan of action for People, Planet and Prosperity, and efforts to make the promise of the SDGs a reality.
A project of the Non-profit International Press Syndicate Group with IDN as the Flagship Agency in partnership with Soka Gakkai International in consultative status with ECOSOC.


SGI Soka Gakkai International

 

Foto: Pemenang Hadiah Nobel Asia, Muhammad Amjad Saquib, pendiri jaringan pengembangan komunitas terbesar Pakistan, Akhuwat. Kredit: Akhuwat.

Oleh Kalinga Seneviratne

SYDNEY (IDN) — Salah satu dari lima pemenang Ramon Magsaysay Awards tahun ini—dikenal sebagai Hadiah Nobel Asia—adalah Dr Muhammad Amjad Saquib pendiri jaringan pengembangan komunitas terbesar di Pakistan, Akhuwat, yang didasarkan pada prinsip berbagi dan persaudaraan Islam.

Diluncurkan pada tahun 2001, ratusan ribu keluarga miskin telah terbantu melalui pinjaman keuangan mikro bebas bunga Akhuwat. Hukum Islam melarang bunga pinjaman, tetapi ajaran Islam yang mendorong pengikutnya menyisihkan sebagian dari kekayaan untuk membantu mereka yang membutuhkan, menolong pembiayaan model ini.

Fotografia: O refugiado sul-sudanês, Yiech Pur Biel, corre os 800 metros pela Equipa Olímpica de Refugiados no Rio de Janeiro. (Agosto de 2016) © ACNUR/Benjamin Loyseau

Por J Nastranis

NEW YORK (IDN) - As Nações Unidas estão convencidas de que o desporto promove valores como a diversidade, tolerância e respeito e contribui para o empoderamento das mulheres e dos jovens, indivíduos e comunidades, bem como para a saúde, educação e para os objetivos de inclusão social. Com este mote, o gabinete do Departamento de Comunicação Global da ONU a nível do país iniciou a Zona ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) em Tóquio, intitulada "Juntar-se no desporto para que os ODS progridam".

Crédito da Imagem: Banco Mundial

Por Caroline Mwanga

WASHINGTON (IDN) — Enquanto planeiam a reconstrução das economias após a pandemia do COVID-19, os países fariam bem em lançar as bases para um futuro verde, resiliente e inclusivo. Esta foi a mensagem das Reuniões virtuais da Primavera do Banco Mundial-Fundo Monetário Internacional (FMI), de 5 a 11 de abril de 2021. O Presidente do Grupo do Banco Mundial, David Malpass, descreveu os principais desafios com que o mundo se depara, incluindo o COVID, as mudanças climáticas, o aumento da pobreza e desigualdade e a fragilidade e violência crescentes como parte da ênfase na Economic Recovery: Toward a Green, Resilient, and Inclusive Future (Recuperação Económica: Para um Futuro Verde, Resiliente e Inclusivo).  

Foto: Os desempregados na Malásia [The jobless in Malaysia]. Fonte: Malay Mail.

Por Jaya Ramachandran

GENEBRA (IDN) — Uma crise única no século—uma Grande Perturbação desencadeada pela pandemia COVID-19—atingiu a economia mundial em 2020. A pandemia chegou a todos os cantos do globo. Enquanto isso, mais de 120 milhões foram infectados e cerca de 2,7 milhões de pessoas morreram em todo o mundo.

Foto: Munir Akram, septuagésimo sexto presidente do Conselho Econômico e Social. Crédito: ONU ECOSOC

By Ramesh Jaura

O presidente do Conselho Econômico e Social da ONU (ECOSOC), Munir Akram, convocou uma 'Coalizão dos Dispostos’ para promover um acordo em nível global sobre um conjunto específico de ações iniciais para fornecer espaço fiscal e liquidez suplementar aos países em desenvolvimento que sofrem o impacto desastroso da COVID-19.

Em uma entrevista por e-mail com o IDN, Akram disse que ações rápidas devem incluir suspensão abrangente de dívidas, reestruturação de dívidas para países em situação de endividamento atual ou potencial, criação de novos Direitos Especiais de Saque (SDRs) no valor de 500 bilhões de dólares e redistribuição de cotas de SDR não utilizadas para países em desenvolvimento.

Foto: Sistema Agro-silvo-pastoral Barroso. Crédito: Sistema de patrimônio agrícola de importância global.

Opinião de Paulo Caruso Dias de Lima*

BRUSSELS – Conforme já anunciado, a Presidência portuguesa do Conselho Europeu, no primeiro semestre do próximo ano, posiciona suas prioridades de maneira a concertar uma recuperação justa, verde e digital dos impactos da pandemia do COVID-19.

Os sistemas alimentares, como se nota, estarão no centro dos debates na cena internacional em 2021, como durante a Cimeira das Nações Unidas para os Sistemas Alimentares.

Foto: Mercado de Channon. CC BY-SA 3.0

Por Kalinga Seneviratne

CHANNON (IDN) – No apogeu do movimento hippie no Ocidente, em 1976, a tradicional aldeia de agricultores situada neste cenário era um campo de batalha entre madeireiros e ambientalistas que viajaram de toda a Austrália para impedirem o desmatamento da selva tropical de Terania Creek. Esta foi a primeira manifestação de ação direta na Austrália.  

Muitos dos ambientalistas decidiram estabelecer-se na região, comprando terrenos agrícolas baratos e estabelecendo comunidades com uma filosofia de "voltar à terra".    

Image credit: UN

Santo D. Banerjee

NOVA IORQUE (IDN) – A pandemia de COVID-19 forçou mais de 1,5 bilhões de estudantes em 165 países a não frequentarem as escolas, impondo à comunidade acadêmica global a necessidade de explorar novas maneiras de ensino e aprendizagem, como ensino on-line e à distância, de acordo com as estimativas da UNESCO.

Esta situação provou ser um desafio tanto para estudantes como para educadores, que têm de lidar com as dificuldades emocionais, físicas e econômicas suscitadas pela doença enquanto fazem a sua parte para ajudar a controlar a propagação do vírus, observa o Impacto Acadêmico das Nações Unidas (UNAI, na sigla em inglês).

Foto: A sessão sobre emergência climática no Festival de Literatura de Jaipur. (Da esquerda para a direita Renata Dessallien, coordenadora residente da ONU na Índia; Namita Waikar, editora-chefe do jornal online PARI; Shubhangi Swarup, escritora e cineasta; Dia Mirza, atriz e advogada da ONU para o desenvolvimento sustentável. Crédito: ONU Índia / Yangerla Jamir.

Por Devinder Kumar

JAPIPUR (IDN) - Como parte do programa Década de Ação para acelerar soluções sustentáveis para todos os maiores desafios do mundo, desde a pobreza e o género às mudanças climáticas, desigualdade e redução do défice financeiro, as Nações Unidas utilizaram uma nova ferramenta no final de janeiro: o maior festival de literatura do mundo na eminente “cidade rosa” da Índia em Jaipur, capital do cénico, quase mágico estado indiano do Rajastão. É conhecida como a Cidade Rosa devido à cor da pedra usada em muitos dos seus gloriosos palácios e monumentos históricos.

Page 1 of 5

Newsletter

Striving

Striving for People Planet and Peace 2021

Mapting

MAPTING

Partners

SDG Media Compact


Please publish modules in offcanvas position.